quinta-feira, 9 de agosto de 2012

ESTÁGIO SUPERVISIONADO III CONFECÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL




LUCIANE BENEDITA DA SILVA














ESTÁGIO SUPERVISIONADO III
CONFECÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL





Relatório final de Estágio Supervisionando III, apresentado à disciplina de Estágio Supervisionado III, do Curso de Pedagogia, ministrada pela Professora Thuinie Vilela Daros sob a orientação da professora Laura Sella.





FOZ DO IGUAÇU- PR
JUNHO, 2012

























DEDICATÓRIA

Dedico este trabalho a todas as pessoas que contribuíram direta ou indiretamente para a minha formação moral, ética e profissional.
E para todos aqueles que labutam para fazer mais digna a vida de milhares de pessoas, buscando oferecer um ensino digno a eles.








AGRADECIMENTOS


A concretização deste trabalho só foi possível a um conjunto de condições e meios postos à disposição, bem como à dedicação, empenho e vontade de vários intervenientes, a quem gostaria de expressar meus mais profundos e sinceros agradecimentos.
A Deus, a razão do meu existir.
Porque nada se move sem a sua vontade,
Obrigado Senhor!

Ao meu esposo, Lindomar Felipe Marques
Sem o seu infindável amor e incondicional apoio,
Nunca teria chegado onde me encontro hoje.

Aos meus pais:
Pela orientação, dedicação e incentivo nessa fase do meu curso de graduação e durante toda a minha vida.










































Professor bom
É aquele que transforma
Matéria
Em brinquedo e
Seduz o aluno a brincar

Rubens Alves







DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

CENTRO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL MARICOTA BASSO
ENDEREÇO: RUA AIRTON RAMOS, 521 – JD. SÃO PAULO - FOZ DO IGUAÇU-PR.
TELEFONE: (045) 3901 3303
DIREÇÃO: ONILZA M. DE AGUIRRE
ORIENTADORA PEDAGÓGICA: MARIA RAILDA ALVES DOS SANTOS BERTUOL
PROFESSORA ORIENTADORA: LAURA SELLA
PROFESSORA DA DISCIPLINA: THUINE MEDEIROS VILELA DAROS




























SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO                                                                                                                 8
2. PROPOSTA DE ESTÁGIO                                                                                              9
2.1. CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA E DA TURMA                                             9
2.1.1. Características Gerais                                                                             9
2.1.2. Infraestrutura                                                                                          10
2.1.3. Proposta pedagógica                                                                              11
2.1.4. Pressupostos Teóricos da Educação Infantil                                        13
2.1.5. Relação família e instituição                                                                   13
2.1.6. Conteúdos Estruturantes e Específicos                                                14
2.1.7. Hora Atividade                                                                                        14
2.1.8. Gestão Democrática e os Instrumentos de Ação Colegiada                14
2.1.9. Currículo                                                                                                 15
2.1.10. Critérios de Avaliação                                                                           15
2.1.11. Inclusão                                                                                                16
2.1.12. Plano de formação continuada dos Professores                                 17
2.1.13. Calendário Escolar                                                                               17
2.1.14. Formação Docente                                                                               18
2.1.15. Rotina do Pedagogo                                                                             18
2.1.16. Características do Grupo Privilegiado no Estágio                               19
2.2. TEMÁTICA                                                                                                                     19
2.3. OBJETIVO                                                                                                                      19
2.4. JUSTIFICATIVA                                                                                                 20
2.5. TEMPO DE DURAÇÃO                                                                                     21
2.6. METODOLOGIA                                                                                                 21
2.6.1. Recepção e apresentação das acadêmicas                                          21
2.6.2. Introdução da Temática                                                                          22
2.6.3. Práticas desenvolvidas                                                                          22
2.6.3.1. A flor de garrafa PET                                                                 22
2.6.3.2. Pintinho feito com garfo e prato descartável                              23
2.6.3.3. Cachorro de caixa de leite                                                          23
2.6.3.4. Gato de embalagem de amaciante                                            23
2.6.3.5. Porta trecos de garrafa PET                                                       24
2.6.3.6. Fantoche de bonecos de rolo de papel higiênico                       24
2.7. RECURSOS                                                                                                        24
3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA, ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS     25
4. DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS                                                                        29
4.1. Termo de compromisso                                                                                      29
4.2. Ficha de avaliação da prática pelo professor Supervisor do Estágio                30
4.3. Ficha de avaliação da prática pelo Supervisor da instituição/ Escola               31
4.4. Ficha de frequência do estágio                                                                           32
4.5. Declaração de conclusão de estágio                                                                  33
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS                                                                                           34
6. REFERÊNCIAS                                                                                                               35
ANEXOS                                                                                                                              37






  





















INTRODUÇÃO

No Estágio Supervisionado III foi possível observar as atividades de coordenação pedagógica e orientação educacional e compreender como se desenvolve a prática profissional, sua especificidade suas atividades diárias, suas relações com os professores, alunos e comunidade.
A realização desse Estágio foi dividida em duas etapas sendo que foram quinze horas para a observação da rotina do trabalho do pedagogo, análise do Projeto Politico Pedagógico, caracterização da escola, e cinco horas para aplicação do mini-curso.
O mini-curso foi desenvolvido com a finalidade de reutilizar, materiais usados de maneira prática e criativa.
A temática apresentada foi Materiais Recicláveis, com os professores do Centro de Educação Infantil, no período vespertino, das turmas do berçário, maternal e pré.
No curso de Pedagogia o Estágio Supervisionado III é a etapa essencial na formação de educadores, contribuindo para aprimorar novos conhecimentos aos acadêmicos, permitindo contato com situações educacionais com organização, funcionamento de sistemas de ensino. De acordo com Pimenta (2004, p. 45):

No estágio dos cursos de formação de professores, compete possibilitar que os futuros professores se apropriem da compreensão dessa complexidade das práticas institucionais e das ações aí praticadas por seus profissionais, como possibilidade de se prepararem para sua inserção profissional. É, pois, uma atividade de conhecimento das práticas institucionais e das ações nelas praticadas.

O Estágio Supervisionado III possibilita ao acadêmico inserir-se na realidade escolar, colocando em prática conhecimentos adquiridos na faculdade, conhecer o campo profissional, refletir sobre o desempenho dos profissionais atuantes da Instituição de ensino.









2. PROPOSTA DE ESTÁGIO

A presente proposta se refere ao Estágio Supervisionado III que foi desenvolvido com os professores do Centro de Educação Infantil no Período vespertino. Participaram dez professores, entre eles educadores das turmas Berçário, Maternal e Pré. Na ocasião foi desenvolvido um mini-curso com atividades pertinentes a partir da temática de materiais recicláveis.
A abordagem deste assunto partiu da necessidade de intervenção devido à necessidade. Muitos professores não saberem trabalhar com reciclados dentro de sala de aula, auxiliando o aluno no seu processo de ensino-aprendizagem e ao mesmo tempo ensinando-o a reutilizar produtos já usados.
O objetivo de conscientizar sobre a importância de se trabalhar com materiais recicláveis veio bem como atender as necessidades do meio ambiente, reutilizando materiais já usados, de maneira prática e criativa.
A observação da Instituição de Educação Infantil CMEI foi realizada nos dias três, quatro e cinco de abril de 2012.


2.1. CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA E DA TURMA


2.1.1. Características Gerais

O Centro de Educação Infantil está situado na Rua Airton Ramos nº 521 no Bairro Jardim São Paulo inaugurada no dia 08 de junho de 1994 pelo então Senhor Prefeito Dobrandino Gustavo da Silva.
O nome Maricota Basso foi em homenagem a Senhora Maria Alves dos Santos Basso natural de Porto Mendes, que hoje conhecemos como Guaíra. Ela nasceu no dia 07 de fevereiro de 1938 e faleceu no dia 06 de agosto de 1993, foi uma pioneira em Foz do Iguaçu, sempre lutou pelas pessoas carentes, ajudando nas creches existentes nesta cidade.
O Centro de Educação Infantil Maricota Basso é de médio porte e não atende a demanda da comunidade, devido a grande procura possui uma longa lista de espera. No CMEI são atendidos 227 alunos nos períodos matutino e vespertino. Neste CMEI trabalham 29 funcionários entre eles: sete atendentes de creche, 11 educadoras, quatro estagiárias, um lactarista, dois cozinheiras, quatro auxiliares de serviços gerais.
O horário de funcionamento da instituição é das 7:00 às 18:00 horas. As turmas do pré são atendidas durante meio período, pela manhã no horário das 7:30 às 11:30 e à tarde das 13:30 às 17:30. As demais crianças permanecem em tempo integral.


2.1.2. Infraestrutura

O local para atender os educandos é acolhedor, organizado, estruturado, com espaço amplo para brincar, salas arejadas, refeitório, banheiros limpos, com professores competentes, dedicados em sua profissão, um lugar onde as crianças recebem cuidados, amor, carinho e atenção.
O CMEI possui um portão com campainha, quando os pais chegam ao CMEI devem tocar a campainha no portão para chamar as atendentes. O pátio da frente do CMEI é murado onde há um parquinho com gramado e, sem cobertura. O parquinho tem um escorregador, um balanço, duas roda-roda e uma gangorra.
A entrada do CMEI possui uma porta dupla com vidro, essa porta é mantida fechada para a segurança dos alunos. Do lado de fora há dois bancos, um em cada lado da porta. Após a porta encontra-se um saguão, onde as professoras colocam para exposição os trabalhos feitos pelos alunos, e há um mural para expor datas comemorativas. Também no saguão há dois bebedouros, sendo um pequeno e outro grande com quatro torneiras, ao lado dos bebedouros ficam os banheiros sendo o da direita das meninas e o da esquerda dos meninos. Os banheiros são apropriados ao tamanho dos alunos. Cada banheiro tem três sanitários com portas, três pias e dois chuveiros. No banheiro das meninas um dos sanitários é maior e é usado pelas professoras.
À direita do saguão ficam a sala da secretária a qual é usada também como diretoria, nesta sala há um armário com materiais pedagógicos, uma televisão, duas cadeiras, um ventilador e uma máquina de Xerox que é alugada, e também há um almoxarifado onde são armazenados os materiais pedagógicos, materiais de limpeza, cobertas, roupas de cama e materiais de higiene.
À direita do saguão encontramos também uma lavanderia, uma cozinha com; uma câmara fria, um fogão industrial, um freezer horizontal, duas pias, uma mesa, uma cadeira e uma despensa onde é armazenado o alimento das crianças. Há um refeitório, com quatorze bancos grandes e sete mesas, onde os alunos fazem as suas refeições.
No lado esquerdo do saguão há dez salas sendo que:
1ª sala- Pré I “A” pela manhã e pré I “C” pela tarde.
2ª sala – Berçário II “A”. Sala ampla com televisão e ar condicionado.
3ª sala- Pré I “B” pela manhã e pré I “D” pela tarde.
4ª sala – maternal II “B”. Sala com ar condicionado, televisão.
5ª sala – maternal II “A”. Sala com dois ventiladores e um quadro negro.
6ª sala – sala dos professores usada para fazer os planejamentos das atividades
7ª sala – maternal I “A”. Sala com piso de taco, dois ventiladores e quadro negro.
8ª sala – maternal I “B”. Sala com um ventilador
9ª sala – berçário II “C”. Sala com prateleira onde são colocados os materiais de higiene em potes com o nome de cada aluno.
10ª sala – berçário II “B”. Sala com prateleira onde são colocados os materiais de higiene em cestinhas com o nome de cada aluno.
A verba para a administração do CMEI é repassada pela prefeitura municipal de Foz do Iguaçu, os familiares colaboram com materiais escolares e de higiene.


2.1.3. Proposta pedagógica

O objetivo das instituições de Educação Infantil existe a partir da consideração das especificidades de desenvolvimento da criança de zero a seis anos de idade, sendo que cuidado e educação são considerados indissociáveis nessa fase da vida, para tanto não pode acontecer um distanciamento entre as conquistas legais e as práticas utilizadas nas instituições.
Para facilitar o alcance desse objetivo se faz necessário atuar de acordo com o processo nº 610/5 cap. 1º da Deliberação 02/2005 do Conselho Estadual de Educação.
Cuidar tem como significado na maioria das vezes, realizamos as atividades voltadas para os cuidados primários: higiene, sono, alimentação.
As atividades competentes tem a obrigação de prover ambientes: acolhedores, seguros, alegres, instigadores, com profissionais qualificados, organizados, para oferecer experiências desafiadoras e aprendizagens adequadas às crianças, de acordo com a faixa etária.
Educar é um processo integrado ao cuidar, assim precisamos favorecer a autonomia de nossas crianças, de forma mais lúdica, com práticas de atividades e menos teórico.
O Centro de Educação Infantil Maricota Basso desenvolve seu trabalho visando o desenvolvimento integral da criança, aplicando projetos que busquem este desenvolvimento.
As abordagens pedagógicas utilizadas pela equipe de ensino do Centro Educacional Infantil Maricota Basso, seguem a linha sócio- interacionista; construtivista, histórico-crítica e psicomotora. Propõem novos caminhos à educação, para a problemática do indivíduo único, diferenciado, que vive e interage em um mundo dinâmico, valorizando o caráter psicológico, considerando o ritmo de aprendizado de cada criança, respeitando o seu desenvolvimento natural, possibilitando o caminho do respeito à diversidade e não homogeneização.
Na linha sócio-interacionista entende-se o controle consciente do comportamento, a ação intencional e a liberdade do indivíduo em relação às características do momento e do espaço presentes. O conceito de mediação está no cerne de todas as ações intencionais e voluntárias do ser humano, isso significa que o contato do homem com os outros homens e com o meio em que vivem é sempre mediado por alguma experiência e/ou conhecimento anteriormente assimilado.         
O construtivismo sintetiza as teorias que buscam vislumbrar os processos de construção do conhecimento, assim como, discutir a complexidade dos processos de aprendizagem. O conhecimento necessariamente vai ser construído a partir das experiências e pelas características próprias do sujeito, cada indivíduo passa por várias etapas, em que organiza o pensamento e a afetividade.
A abordagem histórica crítica busca construir uma teoria pedagógica a partir da compreensão de nossa liberdade histórica e social, a fim de tornar possível o papel mediador da educação no processo de transformação social.
A psicomotricidade surge como um meio de combater a inadaptação psicomotora, pois apresenta uma finalidade reorganizados processos de aprendizagem de gestos motores, sensório-perceptivo-motor indispensável na contribuição do processo de educação e reeducação psicomotoras, pois atua diretamente na organização das sensações, das percepções e nas cognições, visando a sua utilização em respostas adaptativas previamente planificadas e programadas.
Através da interação dessas abordagens visamos à participação do professor como agente da ação e, para tal, buscamos um profissional competente e principalmente consciente de suas responsabilidades, que procure constantemente seu aperfeiçoamento pessoal e técnico profissional, com desenvolvimento e atributos necessários ao desempenho de suas tarefas.
As decisões no âmbito pedagógico são realizadas através de reuniões de forma coletiva com participação da coordenação e educadoras. Outras reuniões e assuntos relacionados à instituição realizam-se com coordenadora, orientadora pedagógica com a secretaria da educação.


2.1.4. Pressupostos Teóricos da Educação Infantil

A concepção de Educação Infantil está alicerçada por uma concepção de homem e sociedade que carrega em si uma dimensão histórica em tempo e espaço compete aos educadores, contribuem para que as crianças adquiram conhecimento de acordo com a realidade na qual interagem.
Conforme esses pressupostos, os conhecimentos produzidos pela humanidade, gesto, arte, fala jogo e movimento, constituem as linguagens fundamentais a serem trabalhadas nas Instituições de Educação Infantil.


2.1.5. Relação família e instituição

A importância do diálogo, da parceria e de um olhar acolhedor sobre as famílias, considerando suas características, conhecimento, valores e cultura, resulta numa aproximação maior em relação às crianças, na medida em que elas têm em sua família um ponto de referência fundamental. Abrir as portas dos CMEIs, creches e pré-escolas para os pais significa acolher diferenças, crenças e costumes distintos. A instituição precisa aprender a compreender e valorizar as oportunidades educativas próprias de cada cotidiano familiar e comunitário, dos quais a criança participa; precisa conhecer as concepções e ideias das famílias sobre a infância e a criança, pois essas ideias variam conforme a história de cada um.
Cabe à instituição, por meio do reconhecimento da importância dessa relação para a conquista de uma educação infantil de qualidade, reinventá-la, criar formas de envolvimento e participação dos pais no seu cotidiano, indo além das reuniões e atívidades festivas.
Os profissionais da instituição, principalmente os professores, devem buscar o estreitamento das relações, a construção de uma relação de respeito e confiança mútua, a aprendizagem e o desenvolvimento pleno das crianças irão acontecer se os pais estiverem em parceria com a instituição.


2.1.6. Conteúdos Estruturantes e Específicos

As atividades dos níveis I e II priorizam aprendizagens que propiciem o desenvolvimento progressivo da autonomia, considerando a especificidade da faixa etária. Por exemplo, a construção e aceitação das normas de convivência que viabilizam a organização do ambiente, bem como a frequente busca da regulação do comportamento frente a diversas situações cotidianas de grupo. Os mesmos conteúdos serão trabalhados dentro de abordagens diferentes de acordo com o desenvolvimento da criança, pois é possível trabalhar com todas as faixas etárias, aspectos de vários eixos, modificando apenas a abordagem, a metodologia de trabalho e as atividades específicas para aquele grupo.
As instituições de Educação Infantil devem possibilitar o acesso aos conhecimentos, bem com, oportunizar sua ampliação, numa visão de mundo, permeados por afetos e princípios éticos.


2.1.7. Hora Atividade

A hora atividade foi conquista da educação. A LDB, no Art. 67, inciso V, concebe o direito a: período reservado aos estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho.
No CMEI Maricota Basso, um dia por semana, os professores terão quatro horas para estudar, planejar e preparar as atividades que serão aplicadas ao longo da semana, neste dia uma estagiaria , auxiliará o professor em sala de aula, que na semana seguinte terá sua oportunidade de planejar.


2.1.8. Gestão Democrática e os Instrumentos de Ação Colegiada

Os mecanismos propostos devem ser coerentes com a lei n°. 9394/96 Art.64 que trata da formação necessária para o exercício das funções de administração, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional. As quais só podem ser exercidas por quem é formado em pedagogia ou tenha pós-graduação na área, sendo que na formação em pedagogia, devem constar os conteúdos da base nacional comum, currículo mínimo fixado pelo Conselho Nacional de Educação, Da experiência para exercer tais funções cita (LDB) em parágrafo único; "A experiência docente é pré-requisito para o exercício profissional de quaisquer outras funções de magistério nos termos das normas de cada sistema de ensino", (art.67, parágrafo único).
Em caso de ausência do coordenador, o coordenador pedagógico irá se responsabilizar pelo CMEI sendo seus horários alternados com o do coordenador.
Competirá ao coordenador participar da elaboração e execução do PPP, em consonância com os docentes e a SMED.


2.1.9. Currículo

A necessidade de situar o tempo da infância, o qual extrapola o período de 0 a 5 anos, deu inicio a necessidade da construção de uma proposta curricular para a Educação Infantil.
Visando os direitos de ser e viver a infância é preciso preservar estas conquistas tanto nas famílias, como nas instituições de ensino e na comunidade.
Regimento Escolar Municipal 2005- capitulo III- da Gestão Escolar, art. 8°: “A gestão escolar é o processo que rege o funcionamento do Centro de Educação infantil, compreendendo a tomada de decisão conjunta no planejamento, execução, acompanhamento e avaliação das questões pedagógicas e administrativas, envolvendo toda a participação da comunidade escolar. tem como órgão próximo da direção de um colegiado", sendo assim, a elaboração coletiva da proposta pedagógica exerce papel fundamental na construção da gestão, que oportuniza o compartilhamento de conhecimentos através de reuniões pedagógicas e planejamento coletivo, que possibilite a discussão dos diferentes pontos de vista sobre uma mesma proposta, devidamente explicitados no Regimento Escolar.


2.1.10. Critérios de Avaliação

Na resolução CEB n° 01/99 em seu artigo 3º, inciso V, estabelece, que:
"As propostas pedagógicas para a Educação Infantil devem organizar     suas     estratégias     de     avaliação,     através     do acompanhamento e dos registros das etapas alcançadas nos cuidados e na educação para crianças de 0 a 6 anos, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao' ensino fundamental". No Centro de Educação Infantil Maricota Basso a avaliação se dará através de observação diária, historiciando o desenvolvimento integral da criança devidamente registrada em fichas individuais (portfólio) onde o professor pode registrar todos os aspectos que julgar significativos no seu desenvolvimento e aprendizagem, buscando ampliar seu conhecimento sobre a singularidade no processo de desenvolvimento.
Deve se também levar em conta que não existe um mesmo ponto de partida, cada criança traz uma experiência de sua realidade de vida, e avaliá-los todos da mesma forma não respeitando essas diferenças podem causar grandes injustiças. O professor deverá dar oportunidades para que as crianças expressem suas ideias incentivando-os a expressarem suas ideias. De acordo com LUCKESI (2005, p.32):
"Já a prática da avaliação nas pedagogias preocupadas com a transformação deverá estar atenta aos modos de superação do autoritarismo e ao estabelecimento de autonomia do educando, pois o novo modelo social exige a participação democrática de todos".


2.1.11. Inclusão

O atendimento aos pais que procuram a IEI é realizado de forma homogénea, sempre os colocando a par de todas as atividades que serão realizadas com as crianças, o mesmo ocorre com os pais de crianças que possuem Necessidades Educacionais Especiais (NEE). Conforme capitulo V - artigo 58 - parágrafo 3º, diz que "A oferta de educação especial, dever constitucional do estado, tem inicio na faixa etária de zero a seis anos, durante a educação infantil.".
O Referencial Curricular de Educação Infantil 1998 constitui-se em um conjunto de referências e orientações didáticas, trazendo como eixo do trabalho pedagógico: “o brincar como forma particular, de expressão”.
Incluir alunos com deficiências ou necessidades educativas especiais no sistema de educação infantil não requer um currículo especial, mas, ajustes e algumas modificações curriculares que propiciem o avanço no processo de aprendizagem desses alunos. Assim, discutiremos neste artigo as possibilidades e necessidades das crianças com necessidades educativas especiais, o eixo curricular, a prática pedagógica, as organizações e adaptações didáticas para a construção do projeto pedagógico, tendo em vista a efetivação da inclusão na educação infantil.




2.1.12. Plano de formação continuada dos Professores

A coordenadora procura motivar o corpo docente para que estes busquem alternativas metodológicas diversificadas para desenvolverem um trabalho de qualidade em saia de aula.
Os grupos de educadores têm a oportunidade de fazer trocas de experiências dos trabalhos desenvolvidos, sanar duvidas através das reuniões pedagógicas e cursos de aperfeiçoamento oferecidos pela secretaria de educação e particulares.
Além desses critérios é essencial a convivência do grupo em harmonia para que haja o crescimento pessoal e coletivo, no qual todos estão inteirados no processo evolutivo da educação.  Sendo assim procurando estabelecer um consenso entre o cuidar, educar, orientar e o aprender.


2.1.13. Calendário Escolar

O calendário escolar será elaborado pela secretaria municipal de Educação em consonância com as determinações da Lei 9394/96, e enviado ao órgão competente para análise e homologação.
Para tanto se faz necessário, a observação dos relevantes itens a seguir:
Período da matricula.
Período para planejamento anual de cada turma.
Dispensa das crianças para reuniões pedagógicas de profissionais da Educação Infantil.
Dispor de horário semanal para elaboração de planejamento de aula.
Eventos culturais, exaltando as datas comemorativas.
Reuniões com pais e funcionários
Período para cursos de aperfeiçoamento e formação continuada
Feriados e recessos escolares
Períodos de férias integrais, para professoras e alunos.
Avaliação de trabalho pedagógico
Avaliação da instituição.




2.1.14. Formação Docente

Professores atuantes na educação infantil, todos graduados, desses professores a grande maioria tem pós-graduação, totalizando 80%.
A escolha e distribuição de turma são feitas, da seguinte maneira:
Graduação na área da educação para quem está cursando, pós na área da educação, tempo na instituição (CMEI), tempo de serviço (prefeitura municipal).
Os professores são motivados participando de seminários, palestras, oficinas, buscando os profissionais da instituição para a realização de cursos na área da educação.


2.1.15. Rotina do Pedagogo

Durante a conversa com a professora ou coordenadora do CMEI ela nos falou sobre o trabalho que ela desenvolve no centro de Educação Infantil planejamento, providencia os trabalhos solicitados por professores, orienta os mesmos, resolve os problemas da parte burocrática, sua rotina é modificada, não faz o mesmo todos os dias, cada dia aparece fatos, acontecimentos diferentes mudando a rotina.
Em seu cotidiano escolar como uma profissional da Educação Infantil procura realizar seu trabalho com a maior calma possível , quando preciso interfere na atuação docente, na aplicação das aulas dando apoio, dialogo , procura solucionar dúvidas dos professores.
A coordenação do trabalho pedagógico é realizada com orientações para os professores, alguns educadores não estão aptos a aceitar as mudanças no âmbito escolar, dificultando o trabalho pedagógico da coordenadora.
As ações voltadas para os alunos é o trabalho psicológico e pedagógico com a criança, no sentido de mostrar o lado bom da instituição para o aluno, a importância de frequentar o CMEI. O pedagogo realiza as mesmas atividades que os professores, quando falta um professor é ele que vai para a sala de aula.






2.1.16. Características do Grupo Privilegiado no Estágio

Os dez profissionais que irão participar do minicurso realizado pela disciplina de Estágio Supervisionado III são atuantes na Educação Infantil do período vespertino, da turma do berçário, maternal e do pré.
Esses educadores participam da formação docente uma vez no mês, reunião pedagógica a qual acontece uma vez no bimestre, seminários, palestras, como também conhecimento entre os mesmos, ideias, sugestões e compartilham as mesmas etapas em conjunto com turmas da mesma faixa etária, realizam projetos com o mesmo tema, confeccionados de maneiras diferentes e materiais pedagógicos utilizados em conjunto. Lembrancinha sobre datas comemorativas.
Os recursos disponibilizados são televisão, aparelho de DVD, aparelho de som, materiais pedagógicos, livros didáticos, literatura. A prefeitura municipal forneceu para as instituições de educação infantil coleção de livro para realizar atividade em sala de aula e também, o livro tarefa de casa para auxiliar o trabalho do professor e obter melhorias no aprendizado dos educandos, o nome dessa coleção é Buriti Mirim 2 Educação Infantil.
A convivência entre o grupo de professoras é amigável, com respeito, dialogo, cooperação e trocas de experiências.


2.2. TEMÁTICA

Confecção de Materiais Recicláveis na Educação Infantil


2.3. OBJETIVO

Conscientizar os professores a trabalharem com materiais recicláveis dentro de sala de aula, incentivando os a fabricarem materiais artesanais como atividade geradora do desenvolvimento intelectual, despertando no aluno a descoberta, a exploração e manipulação de materiais alternativos.





2.4. JUSTIFICATIVA

É de extrema importância trabalhar com materiais recicláveis na Educação Infantil, conscientizando os alunos a diminuírem ao mesmo tempo a poluição do meio ambiente. Neste intuito, é bom que o professor trabalhe com esse tipo de material, pois auxilia o aluno no seu desenvolvimento intelectual, psicomotor e possibilita o mesmo a explorar o meio em que vive e consequentemente o mundo.
A ideia de ensinar os professores de Educação Infantil a trabalharem com materiais recicláveis na confecção de brinquedos promovem uma conscientização, e ao mesmo tempo facilita o trabalho pedagógico do professor. As experiências lúdicas e práticas se bem utilizadas podem se transformar em estratégias significativas que facilitam o trabalho do professor em sala de aula, pois contribuem na construção do conhecimento.
Ao trabalhar com sucata o professor desenvolve no aluno a criatividade e a busca pelo novo, despertando no mesmo a emoção e o imaginário para fazer dessa construção o verdadeiro sentido de existir. De acordo com Rubens Alves: “Professor bom é aquele que transforma matéria em brinquedo e seduz o aluno a brincar”.
A arte de construir brinquedos usando sucatas poderá vir a ser a atividade lúdica que mais resultados poderão fornecer a formação de indivíduos únicos e autênticos. Além disso, com sucatas podemos confeccionar jogos, brincadeiras atraentes e educativas com baixo custo. E é um dos recursos mais utilizados na prática da Educação Infantil.
O brinquedo confeccionado pela criança com sucata além de ajudar a preservar o meio ambiente, possibilita a capacidade que a criança poderá desenvolver no futuro.
Os professores ao trabalharem com a reciclagem podem despertar maior interesse e estimulo nos alunos em relação ao aprendizado, fazendo com que haja cooperação, participação e tornando as aulas mais agradáveis. Pois com o material em mãos o aluno vê o resultado na prática, sendo para alguns esta a melhor maneira de aprender.







2.5. TEMPO DE DURAÇÃO

O tempo disponibilizado pela orientadora pedagógica para a apresentação da prática do Estágio Supervisionado III será de uma hora, no período vespertino, das 14:20 às 15:20. A prática de Estágio Supervisionado III foi realizada no dia 21 de maio de 2012. Participaram da oficina seis professoras das vinte que trabalham no CMEI. Estas professoras participaram, pois estavam em hora atividade, enquanto que as outras continuaram em sala de aula porque precisavam manter sua atenção nas crianças.


2.6. METODOLOGIA

O trabalho apresentado será um minicurso terá como temática o uso de materiais recicláveis na educação infantil. Será iniciado com uma breve apresentação sobre a temática, falando sobre a importância da reciclagem para produção de materiais pedagógicos em sala de aula e em seguida serão apresentadas mostras de alguns materiais que serão confeccionados durante o minicurso.


2.6.1. Recepção e apresentação das acadêmicas

As acadêmicas do 7º período da Faculdade União das Américas apresentarão um minicurso para os professores da Educação Infantil, voltados para os materiais reciclados, sob a orientação da Professora Laura Sella.
O motivo no qual levou as acadêmicas a realizarem esse curso foi com intuito de auxiliar os professores ao trabalhar com materiais recicláveis com os alunos dento de sala de aula, e ao mesmo tempo desenvolver os mesmos aspectos cognitivos em relação à preservação do meio ambiente, além da criatividade.
O Estagio Supervisionado III é de suma importância para a formação acadêmica e profissional, pois é através dele, que o futuro pedagogo constrói a importância da relação teoria e prática.





2.6.2. Introdução da Temática

Pretende-se abordar o tema indagando os professores sobre “quais os tipos de materiais que eles sabem confeccionar utilizando reciclados, a fim de desenvolver no aluno aspectos cognitivos e intelectuais”.
Após a verificação das hipóteses, demonstrar os diversos materiais que podem ser feitos através dos reciclados. Enfatizando ao mesmo que através deles os alunos terão consciência da reutilização de produtos já utilizados, auxiliando assim, a preservação do meio ambiente.


2.6.3. Práticas desenvolvidas

A partir da demonstração de como o professor pode aplicar o uso de materiais recicláveis em suas aulas, pretende-se então mostrar como pode ser o ensino através de algumas atividades selecionadas que podem ser trabalhadas em sala de aula.
Em sequência segue os objetivos e as metodologias das atividades que serão aplicadas no dia da prática do Estágio.


2.6.3.1. A flor de garrafa PET

Objetivo: Confeccionar a flor de garrafa PET para dar como lembrança da data comemorativa “Dia das Mães”. Também pode ser usada para a decoração da sala de aula.
Metodologia: Fazer um risco acima da marca da garrafa primeiro corta a marca o gargalo depois recorta o risco que foi feito com caneta permanente. Após corta-se uma marca sim e pula um risco na parte de cima, virar as pétalas para cima, e arredondar com a tesoura deixar a tampinha da garrafa.
Pintar as pétalas do verso da garrafa onde tem a tampinha colocar um pedaço de EVA colado em um palito de churrasco para fazer o miolo usar uma bolinha de isopor pintado colar com cola quente, fazer detalhes com tinta relevo, bolinhas.


2.6.3.2. Pintinho feito com garfo e prato descartável

Objetivo: Cantar com as crianças a música “Pintinho Amarelinho”.
Metodologia: Cortar um prato ao meio e fazer um furo em uma das pontas de cada metade. No prato inteiro fazer dois furos próximos um do outro mais ou menos no meio do prato. Prender as duas metades ao prato inteiro usando uma peça chamada bailarina para fixar, uma em cada buraco. Deve ser feita de modo que as duas metades para simularem asas devem ficar frouxas para se moverem para cima e para baixo. Os olhos são feitos com forminhas de brigadeiro, com um pontinho feito com canetinha. Os olhos deverão ser colados acima das asas quase na borda do pratinho. O bico será feito de papel cartão na forma de um triangulo e deverá ser afixado ao prato um pouco abaixo dos olhos. As pernas são feitas com dois garfos descartáveis, fixar os garfos na parte de trás um ao lado do outro e com fita adesiva. Os dentes dos garfos fixarão para baixo para simular os pés do pintinho.

2.6.3.3. Cachorro de caixa de leite

Objetivo: Contar uma história, falar para as crianças dar um nome ao personagem. A professora começa a história e as crianças participam ajudando a desenvolver essa história.
Metodologia: Forrar a caixa de leite com um papel contact, cortar a embalagem ao meio, mas deixar um dos lados sem cortar para poder dobrar. As duas metades deverão ter o mesmo tamanho para ser usadas como a boca do cachorro. Fazer um corte na lateral para formar as orelhas. Colocar os detalhes do focinho, olhos, dentes, língua, tudo de papel contact de cores diversas. Os dentes são feitos com cartolina. Os moldes serão desenhados no papel contact, recortados e colados nos lugares adequados.

2.6.3.4. Gato de embalagem de amaciante

Objetivo: Trabalhar animais domésticos e cantar a música não atire o pau no gato para mostrar as crianças que não podemos maltratar os animais.
Metodologia: Uma embalagem de amaciante de dois litros, fazer um molde de EVA do rosto do gato, suas orelhas, focinho, olhos, fazer detalhes nas orelhinhas em forma de triangulo, nariz, língua colar por baixo do focinho, os bigodes são três tiras de EVA de cada lado recortados bem finos. Os detalhes do focinho podem ser feitos com canetinha preta, colar o rosto do gato na embalagem em cima deixar um pouco virado para o lado. Para ficar mais bonito colocar um pedaço de feltro como se um cachecol, cortar as pontas do feltro em baixo.

2.6.3.5. Porta trecos de garrafa PET

Objetivo: Fazer o porta-trecos para entregar as crianças na sexta-feira, colocar dentro bala, pirulito e uma mensagem desejando um bom fim de semana, a criança poderá utilizar a embalagem para guardar algo pessoal.
Metodologia: Fazer um corte na parte debaixo da garrafa, cortar na medida de dois dedos a parte de cima e embaixo encaixar uma parte na outra fazer dois furos na lateral para passar um elástico por dentro prendendo a parte debaixo da garrafa, recortar tiras de EVA e colar em cima como se fosse o cabelo, fazer duas mãos de EVA colar na lateral do elástico. Para o acabamento recortar os moldes desenhados no papel contact com boca, olhos, nariz, dentes e cola na parte da frente da garrafa PET.

2.6.3.6. Fantoche de bonecos de rolo de papel higiênico

Objetivo: Usar como fantoche, contar uma historia, pode pintar um fantoche claro e outro escuro para trabalhar o dia da consciência negra e o preconceito.
Metodologia: Desenhar uma careta no rolo de papel com canetinha, recortar os olhos e a boca pintar em tom de pele, depois recortar o verso como se fosse um retângulo, colocar detalhes nariz cabelos pode ser feito com canetinha, colocar os dois dedos nos olhos e o dedo polegar como se fosse a língua. Pintar os dedos de branco e o indicador de vermelho.


2.7. RECURSOS

Garrafa PET, tesoura, pincel, caneta permanente, tinta de relevo, palito de churrasco, EVA, cola quente, bolinha de isopor, prato plástico descartável, garfo plástico descartável, tinta, tampinha de garrafa PET, bailarina, forma de brigadeiro, canetinhha, cola em bastão, papel cartão, fita adesiva, caixa de leite, papel contact, cartolina, embalagem de amaciante de dois litros, cola de EVA, feltro amarelo, rolo de papel higiênico, tinta guache.




3- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA, ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

O Estágio Supervisionado III obrigatório no curso de Pedagogia da Faculdade União das Américas desenvolve aprendizagens profissionais, científica, social e cultural no âmbito dos espaços de docência e gestão.
Dessa forma o Estágio Supervisionado III tem como objetivo proporcionar conhecimentos com embasamentos teóricos e práticos nos Centros Municipais de Educação Infantil, através de observação, e conhecimentos do funcionamento da Escola na parte administrativa e pedagógica.
Para Pimenta e Lima (2004): O Estágio é o eixo central na formação de professores, pois é através dele que o profissional conhece os aspectos indispensáveis para a formação da construção da identidade e dos saberes do dia-a-dia.
O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil trata-se em um documento elaborado pelo MEC em 1998. Dá ênfase na criança, em educar, em cuidar, em brincar. Fala da importância do projeto educativo, das condições dentro e fora dos centros de Educação Infantil. Fala da importância da criança em seus aspectos; físicos, cognitivos, afetivos, psíquicos, social e morais. Respeita as diferenças culturais, sociais, respeita as capacidades intelectuais, artísticas, criativas e expressivas. Segundo Rosemberg (1997, p. 23):

Para implantar este modelo de educação infantil que educa e cuida devemos, pois, afastarmos duas concepções inadequadas: a concepção de que educar é apenas instruir e alimentar a cabeça através de lições ou ensinamentos; e de que cuidar é um comportamento que as mulheres desenvolvem naturalmente em suas casas. O que estou querendo afirmar é que educar e cuidar crianças pequenas em instituições coletivas é uma habilidade profissional que necessita ser aprendida e de condições de trabalho adequadas para se expressar.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), Lei nº 9.394, promulgada em dezembro de 1996, ‘estabelece o vinculo entre o atendimento às crianças de zero a seis anos e a educação’, ou seja, tanto as creches para as crianças de zero a três anos como as pré-escolas, para as de quatro a seis anos, são consideradas como instituições de educação infantil. Segundo a LDB A educação infantil é considerada a primeira etapa da educação básica. Na instituição de educação infantil o cuidado com a criança é considerado como parte integrante da educação.
O objetivo das instituições de Educação Infantil existe a partir da consideração das especificidades de desenvolvimento da criança de zero a seis anos de idade, sendo que cuidado e educação são considerados indissociáveis nessa fase da vida, para tanto não pode acontecer um distanciamento entre as conquistas legais e as práticas utilizadas nas instituições. Para facilitar o alcance desse objetivo se faz necessário atuar de acordo com o processo nº 610/5 cap. 1º da Deliberação 02/2005 do Conselho Estadual de Educação.
Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998, p. 27), a instituição deve criar um ambiente de acolhimento que dê segurança e confiança às crianças, garantindo oportunidades para que sejam capazes de:

Experimentar e utilizar os recursos de que dispõem para a satisfação de suas necessidades essenciais, expressando seus desejos, sentimentos, vontades e desagrados, e agindo com progressiva autonomia; familiarizar-se com a imagem do próprio corpo, conhecendo progressivamente seus limites, sua unidade e as sensações que ele produz; interessar-se progressivamente pelo cuidado com o próprio corpo, executando ações simples relacionadas à saúde e higiene; ter uma imagem positiva de si, ampliando sua autoconfiança, identificando cada vez mais suas limitações e possibilidades, e agindo de acordo com elas; identificar e enfrentar situações de conflitos, utilizando seus recursos pessoais, respeitando as outras crianças e adultos e exigindo reciprocidade; valorizar ações de cooperação e solidariedade, desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração e compartilhando suas vivências;
                
Um Projeto Político Pedagógico é um documento que propõem uma direção política e pedagógica para o trabalho escolar, formula metas, prevê as ações, institui os procedimentos e instrumentos de ação de cada instituição de ensino.
Em 2006, o MEC lançou os Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil, contendo referências de qualidade a serem utilizados por instituições destinadas à Educação Infantil, que provoquem a igualdade de oportunidades educacionais e que levem em conta as diferenças, a diversidade e as desigualdades presentes em todo o território nacional.
A proposta pedagógica deve garantir o cumprimento das finalidades e objetivos expressos no Regimento Escolar da Instituição.
As propostas pedagógicas são desenvolvidas com autonomia pelas instituições de Ensino Infantil, assim como a escolha das concepções, metodologias e das estratégias pedagógicas, a partir das orientações legais contidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil;
A elaboração, a implementação, o acompanhamento e a avaliação das propostas pedagógicas seguem os princípios de participação, compromisso, contextualização, historicidade, unidade (na diversidade), intencionalidade, coerência, provisoriedade (dinamismo) e organização;
No Centro de Educação Infantil o pedagogo tem a função de desenvolver o planejamento, providenciar os trabalhos solicitados por professores, orientar os mesmos, resolver os problemas burocráticos.
O pedagogo realiza as mesmas atividades que os professores, quando falta um professor é ele que vai para a sala de aula. Sua rotina é modificada, pois a cada dia aparecem fatos, acontecimentos diferentes. Em seu cotidiano escolar como uma profissional da Educação Infantil procura realizar seu trabalho com a maior calma possível , quando preciso interfere na atuação docente, na aplicação das aulas dando apoio, diálogo, procura solucionar dúvidas dos professores. De acordo com Libâneo (1996, p. 127):

A atuação do pedagogo escolar é imprescindível na ajuda aos professores no aprimoramento do seu desempenho na sala de aula (conteúdos, métodos, técnicas, formas de organização da classe), na análise e compreensão das situações de ensino com base nos conhecimentos teóricos, ou seja, na vinculação entre as áreas do conhecimento pedagógico e o trabalho de sala de aula.

Durante a observação no Centro de Educação Infantil, foi analisado o Projeto Politico Pedagógico, proposta pedagógica e o trabalho da orientadora pedagógica, no qual ela organiza as atividades do CMEI, Centro Municipal de Educação Infantil, auxilia e orienta os professores nos planejamentos escolares, projetos pedagógicos, resolve problemas da parte burocrática. Segundo Libâneo (2004, p. 129-130):

O coordenador pedagógico ou professor-coordenador supervisiona, acompanha, assessora, apoia, avalia as atividades pedagógico-curriculares. Sua atribuição prioritária é prestar assistência pedagógico-didática aos professores em suas respectivas disciplinas, no que diz respeito ao trabalho interativo com os alunos.

O presente projeto de Estágio Supervisionado III possibilitou aos acadêmicos conhecer a rotina do orientador pedagógico (coordenador), suas funções exercidas na Instituição de Educação Infantil, analisar o relacionamento da coordenação com professores e demais funcionários do CMEI.
Foi apresentado um mini-curso sobre a reutilização de materiais recicláveis para produção de utensílios de uso pedagógico ou lúdicos. Com sucatas podemos confeccionar jogos, brincadeiras atraentes e educativas de baixo custo. Para Santos (1995, p. 25): O brinquedo confeccionado pela criança com sucata além de preservar o meio ambiente, possibilita a criação de recursos que possam proporcionar maior número de descobertas e de experiências às crianças. Ainda para Santos (1995, p. 25):

A criação de brinquedos com sucata é também uma proposta de mudança e um desfio à nossa capacidade, e um convite para uma pequena aventura. O processo criativo nos introduz ao prazer de transformar, de tornar útil e belo algo que até então era considerado inútil e feio. Esta magia pedagógica pode ajudar o professor a construir os recursos que enriquecerão e facilitarão o seu trabalho, mas o mais importante é que ele também será transformado pelo prazer de criar.

 Na realização do mini-curso ministrado pelas acadêmicas, a orientadora e coordenadora não estavam presentes, devido a problemas de saúde, uma professora com maior tempo de docência ficou responsável para observar e avaliar a apresentação.
Durante a aplicação das atividades propostas no projeto, as professoras demonstraram atenção e interesse na temática.
O grupo composto por seis professoras do CMEI interagiram, no desenvolvimento no decorrer das atividades, relatando os próprios trabalhos realizados com as crianças, contribuíram com sugestões para confecção de brinquedos com materiais recicláveis.
No Estágio Supervisionado III constatou-se que a teoria em determinadas situações não coincidem com a prática, muitas vezes com a ausência do professor que assume a sala de aula, e a orientadora pedagógica assumindo uma função que não é atribuída a ela.
A rotina da orientadora não é a mesma todos os dias, aparecem fatos, acontecimentos diferentes para resolver, sua relação com os professores é harmoniosa, com diálogo, procurando solucionar dúvidas dos professores e orientando-os.
Na sala que ocorreu o mini-curso constatou-se o despreparo por parte dos responsáveis pelo CMEI, pois a mesma não estava organizada e a sala era pequena, teria condições de ser apresentado em outro lugar, mas foi o único espaço cedido para realizar o trabalho.
Para realizar qualquer apresentação em Instituição deve-se ter o cuidado de conferir o local com antecedência, assim poderá evitar possíveis aborrecimentos na hora da apresentação e conseguirá organizar, preparar o local de maneira adequada.






4- DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS:

4.1Termo de compromisso
4.2 Ficha de avaliação da prática pelo professor Supervisor do Estágio





















































4.3 Ficha de avaliação da prática pelo Supervisor da instituição/ Escola





















































4.4 Ficha de frequência do estágio





















































4.5 Declaração de conclusão de estágio























































5- CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Com o Estágio Supervisionado III foi possível estar diante de outras professoras, e apresentar uma palestra de conscientização sobre o uso de materiais recicláveis na sua prática pedagógica.
Esta palestra foi apresentada na forma de um mini-curso, onde tive a oportunidade de aprimorar meus conhecimentos, pois com os Estágios Supervisionados feitos anteriormente eu havia trabalhado somente com alunos, e no Estágio Supervisionado III, foi possível aplicar atividades diretamente à professores.
Durante a elaboração do Estágio, compreendi como funciona um Centro Municipal de Educação Infantil no âmbito organizacional, sua infraestrutura e a gestão usada na instituição de ensino.
Na elaboração da fundamentação teórica, foram pesquisados os pressupostos teóricos das leis e diretrizes que regem o funcionamento de uma instituição de educação infantil.
Na produção das atividades, eu como acadêmica, pude adquirir os conhecimentos, sobre a temática desse trabalho, o qual foi o uso de materiais recicláveis na educação infantil, para então, transmitir esses conhecimentos a outros professores, que futuramente, poderão aplica-los em suas práticas pedagógicas.
Através deste trabalho eu espero ter conscientizado o grupo de professoras, de modo a que busquem a sustentabilidade ao mesmo tempo em que pratiquem a preservação do meio ambiente, mostrando-se a possibilidade de se transformar o que não queremos mais em algo que seja útil novamente.
















REFERÊNCIAS


BRASIL, Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional n°. 9.394, de 20 de                              dezembro de 1996. 4. ed.


CALADO, J. F. Paulo Freire: sua visão de mundo, de homem e de sociedade. Caruaru-PE: FAFICA, 2001.


LIBÂNEO, J. C. Pedagogia, Ciência da Educação? São Paulo: Cortez, 1996. p. 127.


LUCKESI, C. C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. 17. ed. Sao Paulo: Cortez, 2005.


NASCIMENTO, R. R. GERIN, J. A linguagem da vida. Curitiba: Educarte, 1997.


PARANÁ, Currículo Básico Municipal para Educação Infantil e Ensino Fundamental. AMOP, 2007.


PIMENTA, S. G; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.


Projeto Político Pedagógico. Centro Municipal de Educação Infantil de Três Lagoas. Foz do Iguaçu-PR: 2010.


RADESPIEL, M. da C. B. Arte na Pré-Escola e No Ensino Fundamental. IEMAR, 2002.


Referencial curricular nacional para a educação infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.


ROSEMBERG, F. Educação Infantil educar e cuidar e a atuação profissional.  Infância na Ciranda da Educação. Belo Horizonte: 1997. n. 3, p. 21-26.


SANTOS, S. M. P. dos. Brinquedoteca: sucata que vira brinquedo. Porto Alegre: Artmed, 1995.


SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. São Paulo: Autores Associados, 2007.


SERBINO, R. V. Formação de Profesores. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.


VANTI, E. dos S. Projetos Interdisciplinares. Curitiba: IESDE Brasil, 2007.


VASCONCELLOS, C. dos S. Planejamento: projeto de ensino-aprendízagem e projeto poiítico-pedagógico. São Paulo: Libertad, 2005.
                                                                                                               

VEIGA, L. P. A. A prática pedagógica do professor de didãtica. Campinas: Papirus, 2000.


VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.


XEREZ, L; ALVES, M; CRUZ, I. A; Dança no primeiro ciclo do ensino básico. Boletim da Sociedade Portuguesa de Educação Física. 1992.






.




















































ANEXOS